O Homem Que Matou o Diabo

ISBN: 9789722536974
Edição/reimpressão: 10-2018
Editor: Bertrand Editora
Código: 000173001713
ver detalhes do produto
16,60€ I
-10%
24H
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
16,60€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I Em stock - Envio 24H
I PORTES GRÁTIS

SINOPSE

Numa visita fortuita à Serra, em busca de inspiração, Macário conhece Máxima, atriz, que o encanta e o desafia a visitá-la em Paris para esculpir o seu busto. Para surpresa de Máxima, Macário consegue atravessar a fronteira deixando em Portugal uma esperança, quiçá, em Isabel, mulher casada. A viagem é repleta de peripécias, uma aguarela de Portugal e Espanha como só Aquilino Ribeiro, força telúrica posta ao serviço da literatura, poderia recriar.

Macário surpreende Máxima com a sua chegada e esta fica inicialmente sensibilizada e envaidecida com o aparecimento do pretende português. Contudo, cedo perde a paciência para Macário, cuja paixão se torna tormento.

«Aquilino Ribeiro escreveu sobre todas as idades dos seres humanos e pode ocupar a vida inteira de um leitor. Ao leitor que nós somos, Aquilino oferece uma longa companhia, desde que somos crianças, continuando pela adolescência, até posteriores etapas da existência.»
Do prefácio de Serafina Martins
Ver Mais

DETALHES DO PRODUTO

O Homem Que Matou o Diabo
ISBN: 9789722536974
Edição/reimpressão: 10-2018
Editor: Bertrand Editora
Código: 000173001713
Idioma: Português
Dimensões: 150 x 233 x 19 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 256
Tipo de Produto: Livro
Aquilino Ribeiro nasceu na Beira Alta, concelho de Sernancelhe, no ano de 1885, e morreu em Lisboa em 1963.
Deixou uma vasta obra, na qual que cultivou todos os géneros literários, partilhando com Fernando Pessoa, no dizer de Óscar Lopes, o primado das Letras portuguesas do século XX. Foi sócio de número da Academia das Ciências e, após o 25 de Abril, reintegrado, a título póstumo, na Biblioteca Nacional, condecorado com a Ordem da Liberdade e homenageado, aquando do seu centenário, pelo Ministério da Cultura.
Em setembro de 2007, por votação unânime da Assembleia da República, o seu corpo foi depositado no Panteão Nacional.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK