O Malhadinhas

O Malhadinhas

ISBN: 9789722516310
Edição/reimpressão: 11-2013
Editor: Bertrand Editora
Código: 017300000794
ver detalhes do produto
15,50€ I
-10%
PORTES
GRÁTIS
COMPRAR
-10%
PORTES
GRÁTIS
15,50€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I Esgotado ou não disponível
I PORTES GRÁTIS

SINOPSE

Inicialmente incluído em Estrada de Santiago (1922), O Malhadinhas acabaria por se tornar numa das mais conhecidas obras de Aquilino Ribeiro quando foi publicado em volume autónomo em 1958 (o autor acrescentar-lhe-ia a novela Mina de Diamantes). Em forma de monólogo, a obra conta-nos a história de um almocreve, o Malhadinhas, um serrano rústico, grosseiro e matreiro, que não tem quaisquer problemas em usar a «faquinha» que traz à cintura para corrigir o que entende por injusto. Defendendo-se à navalhada e golpes de pau (e por vezes a tiro) dos inimigos com que se vai deparando ao longo dos caminhos e da vida, O Malhadinhas presenteia-nos com uma série de episódios picarescos, num tom coloquial repleto de expressões idiomáticas, trazendo-nos o retrato de um Portugal esquecido.
Ver Mais

CRÍTICAS DE IMPRENSA

«(...) Danado aquele Malhadinhas de Barrelas, homem sobre o meanho, reles de figura, voz tão untuosa e tal ar de sisudez que nem o próprio Demo o julgaria capaz de, por um nonada, crivar à naifa o abdómen dum cristão.(...)»

DETALHES DO PRODUTO

O Malhadinhas
ISBN: 9789722516310
Edição/reimpressão: 11-2013
Editor: Bertrand Editora
Código: 017300000794
Idioma: Português
Dimensões: 148 x 233 x 17 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 222
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Literatura > Romance
Aquilino Ribeiro nasceu na Beira Alta, concelho de Sernancelhe, no ano de 1885, e morreu em Lisboa em 1963.
Deixou uma vasta obra, na qual que cultivou todos os géneros literários, partilhando com Fernando Pessoa, no dizer de Óscar Lopes, o primado das Letras portuguesas do século XX. Foi sócio de número da Academia das Ciências e, após o 25 de Abril, reintegrado, a título póstumo, na Biblioteca Nacional, condecorado com a Ordem da Liberdade e homenageado, aquando do seu centenário, pelo Ministério da Cultura.
Em setembro de 2007, por votação unânime da Assembleia da República, o seu corpo foi depositado no Panteão Nacional.
Ver Mais