2020-09-11

A história desconhecida do homem que salvou milhares de vidas em 30 anos de trabalho clandestino

Adolfo Kaminsky tornou-se o mais jovem falsificador ao serviço da Resistência francesa e colaborou com vários movimentos um pouco por todo o mundo, incluindo a oposição antissalazarista em Portugal.

Partilhar:

Esteve a um passo de ser deportado para Auschwitz, foi recrutado pela Resistência francesa e salvou milhares de judeus através do seu trabalho como falsificador. Participou em diversas guerras e revoluções sem nunca ter disparado uma arma e sem comprometer os ideais de liberdade e de dignidade humana que sempre o guiaram. Adolfo Kaminsky: O Falsificador é a história de um verdadeiro herói narrada pela escritora, guionista e atriz Sarah Kaminsky, sua filha.

 

Quando um dia a filha lhe perguntou se estaria disponível para contar a sua história, Adolfo Kaminsky, judeu russo de nacionalidade argentina, aceitou com entusiasmo. Tinha 17 anos quando foi enviado para o campo de concentração de Drancy e escapou por pouco à deportação para Auschwitz, graças ao seu passaporte argentino. Pouco depois, é recrutado pela UGIF (União dos Trabalhadores Israelitas de França), tornando-se o mais jovem falsificador ao serviço da Resistência.

 

Esta é a história desconhecida do homem que garantiu salvo-conduto a milhares de judeus na Segunda Guerra Mundial como falsificador, sacrificando a sua vida pessoal e a sua segurança para salvar o maior número de pessoas que pôde e recusando quaisquer pagamentos pelos seus serviços. Após a guerra, regressou à clandestinidade e, nas décadas seguintes, colaborou com a resistência antifranquista, com resistentes gregos contra a ditadura dos coronéis, com antissalazaristas em Portugal, com a Frente Nacional de Libertação da Argélia, com objetores de consciência norte-americanos durante a Guerra do Vietname, com vários movimentos de esquerda na América do Sul e com diversos movimentos independentistas africanos (Guiné, Guiné-Bissau, Angola e África do Sul).

 

O livro conta com posfácio de Irene Hipólito dos Santos, filha de José Hipólito dos Santos, ex-dirigente cooperativista e ex-preso político, durante a sua atividade como oposicionista à ditadura portuguesa.

 

«Kaminsky viveu, nas sombras, as horas mais luminosas da ResistênciaLe Monde

 

«Se adaptada para o cinema, a vida de Adolfo Kaminsky, de 86 anos, teria ingredientes de thriller de suspense, filme de guerra, tragédia histórica, drama intimista, comédia romântica e cenas de terrorO Globo

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK