2021-10-22

Irene Vallejo em Lisboa com a Fundação José Saramago e a Bertrand Editora

Autora de «O Infinito num Junco» e «Manifesto pela Leitura» celebra o livro, a literatura e a leitura

Partilhar:

A Bertrand Editora e a Fundação José Saramago têm o prazer de anunciar a vinda a Lisboa de Irene Vallejo, autora de O Infinito num Junco e do Manifesto pela Leitura, para a participação num evento que assinala os 99 anos do nascimento de José Saramago.

 

Às 20h do dia 16 de novembro de 2021, no dia que José Saramago completaria 99 anos, o Teatro São Luiz, em Lisboa, será o palco do início da celebração do centenário do escritor. Irene Vallejo lerá o Manifesto pela Leitura, seguindo-se um concerto pela Orquestra Metropolitana de Lisboa, dirigida pelo maestro Pedro Neves. O programa é composto por As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz, de Joseph Haydn, com leitura de textos de José Saramago pela atriz Suzana Borges.

 

Agenda de eventos com Irene Vallejo:

 

• 16 de novembro, às 20h: Concerto Centenário José Saramago, no Teatro São Luiz, em Lisboa

• 17 de novembro, ao final do dia: Conferência integrada na iniciativa mensal «Seminários Internacionais de Estudos Globais» promovida pela Cátedra de Estudos Globais/Programa de Doutoramento em Estudos Globais sediada na Universidade Aberta, em parceria com a Fundação Calouste Gulbenkian, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa

 

A obra da autora em Portugal:

 

Irene Vallejo é autora do livro O Infinito num Junco, publicado em outubro de 2020 e que já conta com cinco edições em Portugal. Este é um livro sobre a história dos livros. Uma narrativa desse artefacto fascinante que inventámos para que as palavras pudessem viajar no tempo e no espaço. É o relato do seu nascimento, da sua evolução e das suas muitas formas ao longo de mais de 30 séculos: livros de fumo, de pedra, de argila, de papiro, de seda, de pele, de árvore e, agora, de plástico e luz. É também um livro de viagens, com escalas nos campos de batalha de Alexandre, o Grande, na Villa dos Papiros horas antes da erupção do Vesúvio, nos palácios de Cleópatra, na cena do homicídio de Hipátia, nas primeiras livrarias conhecidas, nas celas dos escribas, nas fogueiras onde arderam os livros proibidos, nos gulags, na biblioteca de Sarajevo e num labirinto subterrâneo em Oxford no ano 2000.

 

Na inauguração da Feira do Livro de Lisboa, a Bertrand Editora lançou o Manifesto pela Leitura, livro distribuído gratuitamente aos visitantes do seu espaço e disponível no site da campanha Ler é Essencial para envio aos leitores que o solicitem. Em torno do livro existe uma comunidade. É composta pelo autor e pelos leitores, pelos bibliotecários e técnicos das gráficas, pelos designers e pelos revisores, pelos tradutores e pelos livreiros, pelos distribuidores e pelos agentes literários, pelos professores e pelos paginadores. Neste manifesto, Irene Vallejo escreve uma carta de amor a todos quantos mantêm o livro vivo e deixa um apelo: cuidemos dos livros, cuidemos de quem lê. Pois é nessa comunidade que cuidamos do nosso futuro, relembramos o passado e vivemos o presente.

 

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK