2022-10-04

Miguel Szymanski apresenta-nos a saga memorável de dois irmãos tipógrafos anarquistas na Lisboa de finais de séc. XIX

Romance baseado numa história verídica de família

Partilhar:

O desejo ardente de se verem livres do rei e dos governantes da coroa, em finais do século XIX, motiva a história, ambientada em Lisboa, de dois irmãos tipógrafos anarquistas. Cada um à sua maneira, por amor, vê-se em África, em busca de uma promessa de felicidade. Inspirado numa história verídica de família, este é o mote de O Homem Mais Feliz de África, de Miguel Szymanski, jornalista e correspondente convidado de Mundo Sem Muros, da RTP 3.

Disponível a 13 de outubro, a sessão de lançamento deste romance decorre no FOLIO, em Óbidos, no dia 15, às 12h00, com apresentação de Paulo Dentinho.

Conspiração, intriga e coragem enchem as páginas de O Homem Mais Feliz de África, cuja ação arranca na noite de 28 de setembro de 1893, quando os olhares de José e Helena se cruzam à porta de uma tipografia do Bairro Alto, em Lisboa. A partir desse momento – porque um momento pode ser a eternidade – as suas vidas não mais serão as mesmas. Em O Homem Mais Feliz de África, Miguel Szymanski oferece-nos uma narrativa histórica de leitura voraz, cuja ação termina na Ilha de Moçambique.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK